menu
Sete Lagoas - MG | Whatsapp: 31 996167463
Mega Cidade
Sete Lagoas - MG
TRABALHO ESCRAVO
GERAL
GERAL
TRABALHO ESCRAVO
Postada em 06/02/2018 ás 09h04 - atualizada em 06/02/2018 ás 09h12
Trabalho escravo: até cascavel no alojamento
Em apenas uma operação,40 trabalhadores foram achados em condições degradantes
Trabalho escravo: até cascavel no alojamento

Alojamento. Fiscais encontraram condições degradantes de sujeira - Foto: SRT-MG/Divulgação

Jornadas exaustivas, documentos retidos e até cascavel em alojamento. Como a portaria que dificultaria o enquadramento do trabalho escravo no Brasil não vingou, tudo isso ainda continua passível de punição. Só no ano passado, foram realizadas 88 fiscalizações em todo o país, que resultaram no resgate de 407 trabalhadores que viviam em condições análogas à escravidão. A cada dez operações, cerca de duas foram em Minas Gerais, que registrou 15 fiscalizações com 68 pessoas resgatadas. Os dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) ainda são preliminares. Quando a última operação de 2017 for incluída, o número de resgatados em Minas ultrapassará cem.



De acordo com a Superintendência Regional do Trabalho em Minas Gerais (SRT/MG), no último mês de dezembro, 40 trabalhadores foram resgatadas de uma fazenda em Santa Bárbara do Monte Verde, na Zona da Mata mineira. Eles trabalhavam no corte e empilhamento de toras de eucalipto. “As condições eram muito precárias, com ambiente mal-cheiroso e falta de água. Os documentos ficavam retidos. Frequentemente, os trabalhadores encontravam cobras, como cascavel, e não recebiam o equipamento de segurança indicado”, afirma a auditora fiscal Maria Dolores Jardim, que na época era coordenadora do projeto de combate ao trabalho escravo da SRT-MG.



Os garrafões de água eram mantidos distantes dos trabalhadores, que precisavam percorrer cerca de 500 metros em terreno íngreme para beber. Não havia copos individualizados, aumentando o risco de transmissão de doenças.



Segundo Dolores, os empregados, vindos principalmente do Norte de Minas Gerais, eram contratados pela empreiteira JS Comércio de Carvão e Moinha Eireli – ME que, por sua vez, prestava serviços para a ArcelorMittal. “Trata-se de um caso de terceirização ilícita. A siderúrgica não reconheceu o vínculo empregatício, mas arcou com todas as despesas rescisórias e também custeou o deslocamento dessas pessoas para suas cidades. Só as verbas de rescisão somaram mais de R$ 480 mil”, explica Dolores, lembrando que, além dos 40 resgatados, a empresa acertou com 133 empregados ao todo.



Por meio da assessoria de imprensa, a ArcelorMittal BioFlorestas informou que contratou, em julho de 2017, a empresa JS Comércio de Carvão e Moinha Eireli – ME e destacou que, em novembro de 2017, assim que tomou conhecimento das condições inadequadas a que os empregados da JS estavam submetidos, rescindiu o contrato e reteve os créditos do prestador de serviço, para regularizar o pagamento aos trabalhadores.



O Ministério do Trabalho emitiu 31 autos de infração. Segundo a BioFlorestas, eles foram recebidos com surpresa, “uma vez que trata-se de uma terceirização dentro dos parâmetros legais, já tendo apresentado sua defesa”, destaca a nota.



Os relatórios da fiscalização serão enviados aos ministérios do Trabalho e Público Federal (MPF).





Resgates caem 80% em 2017



Em 2017, o total de trabalhadores resgatados de condições análogas à escravidão em Minas Gerais caiu mais de 80%. Foram 68 resgatados, contra 356 ocorrências em 2016, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego. Mas essa queda não significa que o trabalho escravo encolheu. “No ano passado, os auditores fizeram greve em Minas, contra a aprovação daquela portaria que deixaria de enquadrar várias condições degradantes como trabalho análogo à escravidão. Ainda bem que ela não passou”, explica a auditora fiscal da Superintendência Regional do Trabalho (SRT-MG), Maria Dolores Jardim.



Em 2017, foram 88 operações no Brasil, duas vezes e meia a menos do que as 207 de 2016. O diretor do Instituto de Defesa da Classe Trabalhadora, Humberto Marcial, destaca que a precarização do trabalho dos auditores fiscais vai comprometer seriamente o combate ao trabalho análogo à escravidão no Brasil.



“É fato incontroverso que o governo fez cortes no orçamento. Num momento em que o Ministério do Trabalho deveria estar fortalecido, para que o empresariado tivesse melhor visão da legislação modificada com a reforma trabalhista, o governo faz o contrário, reduz investimentos e pode causar ainda mais precarização, pois, sem fiscalização, os patrões sabem que não serão punidos”, afirma o diretor do Instituto de Defesa da Classe Trabalhadora, Humberto Marcial.



Poucos fiscais



Na espera. O Ministério do Trabalho encaminhou ao Ministério do Planejamento pedido de concurso público para preenchimento de 1.190 vagas do cargo de auditor fiscal do trabalho. 



Sobre a operação



Denúncia: A fiscalização chegou ao local a partir de denúncia apresentada à Gerência Regional de Juiz de Fora pelo Ministério Público do Trabalho.



Esquema: Os fiscais constataram que os trabalhadores foram aliciados por “gatos” (intermediadores de mão de obra) e eram submetidos às condições degradantes.



Condições: Acúmulo de lixo visível, mal cheiro, fezes de animais, dificuldade de acesso a água e presença de cobras. Não havia equipamentos de segurança adequados.



Por Queila Ariadne - OTempo




leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Enquete
Você é a favor o fim do horário de verão?

Sim
2601 votos - 72.5%

Não
986 votos - 27.5%

facebook
publicidade
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados