menu
Sete Lagoas - MG | Whatsapp: 31 996167463
Mega Cidade
Sete Lagoas - MG
MEDICINA
INTERNACIONAL
INTERNACIONAL
MEDICINA
Postada em 26/10/2017 ás 12h22 - atualizada em 26/10/2017 ás 12h22
Condição rara faz jovem italiana ‘suar sangue’
Ela foi diagnosticada com hematidrose. Desde 1880, apenas 42 casos foram relatados
Condição rara faz jovem italiana ‘suar sangue’

Sangue no rosto da jovem mulher, atendida em hospital na Itália

ROMA — O caso de uma jovem italiana deixou os médicos da Universidade de Florença perplexos. Ela foi admitida na emergência do hospital universitário com um histórico de três anos de sangramentos aparentemente inexplicáveis, no rosto e nas palmas das mãos, dada a ausência de lesões na pele. O caso foi relatado esta semana no periódico “Canadian Medical Association Journal“.



Sem uma explicação aparente para a condição, a equipe médica buscou detalhes. Segundo o relato da jovem, os sangramentos acontecem tanto ao praticar atividades físicas, quanto ao dormir. Os episódios duram, de acordo com ela, entre um e cinco minutos e são mais intensos durante períodos de estresse emocional.



Por causa dos sangramentos inexplicáveis, a paciente passou a se isolar por vergonha e demonstrou sintomas consistentes com depressão e síndrome do pânico. Inicialmente, os médicos suspeitaram de um transtorno factício, quando os próprios pacientes provocam danos a si mesmos para chamar atenção, mas a hipótese foi descartada.



A jovem foi tratada contra depressão e desordens de ansiedade, mas os sangramentos continuaram. Uma análise na secreção detectou a presença de hemácias, direcionando o diagnóstico para a hematidrose, uma rara condição que faz a pessoa “suar sangue”.



Na literatura, não existe uma explicação definitiva para a origem do sangramento. Uma hipótese é que ele seria causado pelo rompimento de finas veias que passam por glândulas sudoríparas, mas existem relatos de sangramentos em regiões do corpo que não possuem essas glândulas. A jovem italiana foi tratada com uma droga para o controle da hipertensão que ameniza o sintoma, mas não cura totalmente.



Num comentário que acompanhou a descrição do caso, Jacalyn Duffin, historiador da medicina e hematologista na Universidade Queen, em Kingston, Ontário, relatou ter sido cético em relação à existência da hematidrose, mas após uma revisão na literatura encontrou 28 casos nos últimos 13 anos, o que reverteu sua posição.



As descrições sobre “suar sangue” aparecem em escritos de Aristóteles, no terceiro século a.C., e no período medieval algumas referências à condição foram feitas relacionando a crucificação de Cristo com a condição. Desde 1880 Duffin encontrou 42 casos relatados na literatura médica, sendo 18 nos últimos cinco anos.




leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Enquete
Você é a favor o fim do horário de verão?

Sim
1533 votos - 70.1%

Não
655 votos - 29.9%

facebook
publicidade
© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados