Quarta, 30 de Setembro de 2020
31 99616-7463
Saúde Covid-19

BH tem aceleração das mortes pelo novo coronavírus

Média móvel de óbitos teve alta de 46,55% no comparativo com duas semanas atrás

13/08/2020 17h02
Por: Redação Fonte: O Tempo
Foto: Alex de Jesus / O Tempo
Foto: Alex de Jesus / O Tempo

A média móvel de mortes por Covid-19 em Belo Horizonte teve alta de 46,55% no comparativo com o indicador registrado duas semanas atrás. O indicador aponta que nos últimos sete dias morreram, em média, 17 pessoas pela doença na capital mineira, enquanto que em 30 de julho a média móvel era de 11,6 mortes. Ou seja, no período, o crescimento do indicador supera 15%, o que o coloca na classificação 'em aceleração'.

Vale ressaltar que o número de mortes relacionados às duas últimas semanas não obrigatoriamente quer dizer que os falecimentos ocorreram nesse intervalo. Há casos de óbitos em datas anteriores, mas eles sõ são incluídos no boletim do dia em que as análises e resultados de exames confirmam a morte provocada pela Covid-19.

Com relação ao número de contaminações, o período também registra alta. Se em 30 de julho a média de novos casos de Covid-19 em Belo Horizonte era de 580,1, hoje este número é de 601,4, um aumento de 3,6% na média geral. Pela metodologia da média móvel, essa variação coloca o indicador em patamar estável.

Continua depois da publicidade

O aumento de mortes e casos ainda não podem ser atribuídos ao início do processo de reabertura do comércio na cidade, já que apenas os serviços considerados essenciais estavam liberados até o dia 5 de agosto. A partir do dia 6, alguns setores puderem reabrir, obedecendo um protocolo estabelecido pelo Comitê de Enfrentamento da Covid da capital.

De toda forma, nessa terça (12) foram registradas 53 mortes em BH, segundo maior número desde o início da pandemia, atrás apenas justamente do dia 6, quando 69 pessoas morreram em decorrência da Covid-19. Já nesta quinta o número caiu para 18.

Explicação

Continua depois da publicidade

Em nota, a prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, explicou em nota que os óbitos contabilizados nessa quarta-feira não são obrigatoriamente daqueles ocorridos nas últimas 24 horas.

"A inclusão de óbitos no boletim depende da análise - por parte de uma equipe especializada - das notificações de casos, declarações de óbitos, além da confirmação da causa da morte, por meio de resultado dos exames", diz parte do texto.

Metodologia

O gráfico interativo apresenta a evolução da média de mortes acumuladas nos últimos sete dias e tem como parâmetro de comparação os dados registrados há duas semanas.

Se a média de hoje superar em mais de 15% o valor de duas semanas atrás, então a situação observada é de crescimento. No outro oposto, uma redução superior a 15% representa desaceleração. Se a variação for de até 15% para mais ou para menos, considera-se que a média se encontra em um nível de estabilidade.

O uso da média de sete dias se justifica pela grande oscilação nas notificações entre os diferentes dias da semana. Ela fica muito clara quando se observa a queda comum durante fins de semana e feriados, por exemplo. Assim, o uso da média móvel ajuda a “dissolver” essas diferenças e a mostrar tendências mais consistentes ao longo do período analisado.

Já a janela de duas semanas para comparação se explica pela demora no processamento de exames e confirmação das mortes pela ação do vírus, bem como os atrasos na consolidação dos dados nos sistemas oficiais utilizados pela Secretaria e pelo Ministério da Saúde.

Esta é a mesma metodologia utilizada, por exemplo, pelo jornal The New York Times.

O gráfico é baseado nos boletins epidemiológicos da Secretaria de Estado de Saúde, cujos dados referem-se ao município de residência dos pacientes. Isso explica eventuais números negativos, uma vez que os casos podem ser revisados ou "transferidos" de cidade.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.