Terça, 27 de Outubro de 2020
31 99616-7463
Cultura Pandemia

Fortuna de Minas na pandemia

08/09/2020 09h23
Por: Redação Fonte: O Tempo / Folha de Fortuna
Fortuna de Minas na pandemia
Os municípios mais dependentes do Auxílio Emergencial pago pelo governo federal durante a pandemia estão concentrados nas áreas mais pobres de Minas Gerais. Curiosamente, porém, as regiões ricas do Estado foram as mais favorecidas pelo novo programa em termos proporcionais.

 

Enquanto 6% dos habitantes receberam o benefício no Norte de Minas em julho (média de R$ 37,80 por pessoa), esse índice chegou a 9,6% na região Sul do Estado (R$ 61,20), por exemplo.

Esses dados apontam para o aumento das dificuldades financeiras entre as famílias de regiões mais produtivas, onde um maior número de pessoas economicamente ativas passou a se encaixar nos critérios sociais do governo devido à crise agravada pelo coronavírus.

Segundo os últimos dados do Ministério da Cidadania e da Controladoria Geral da União (CGU), Minas registrava em julho um total de 3,9 milhões de empregos formais, enquanto 1,8 milhão de desocupados, informais ou autônomos receberam o benefício.

FORTUNA NA PANDEMIA

Apesar de alarmantes em relação ao mercado laboral, os dados reforçam a importância do Auxílio para os negócios nos municípios de pequeno porte. As cidades com menos de 20 mil habitantes receberam, em média, uma injeção direta de R$ 410 mil somente em julho.

Um bom exemplo é Fortuna de Minas, na região Central. “É triste falar isso, pelas circunstâncias tão trágicas, mas não há como negar que, do ponto de vista econômico, a pandemia foi positiva para nossa cidade”, avalia o prefeito Dr. Patrick Diniz – o município de 2,9 mil habitantes não registra vítimas da Covid-19 até este momento.

Profissional da medicina, o prefeito conta que as barreiras sanitárias impostas ainda em março levaram ao aumento do consumo interno, pois a população tinha o hábito de fazer compras em cidades vizinhas como Sete Lagoas. Além disso, a enorme maioria dos trabalhadores já estava no setor público ou na informalidade, em especial nos sítios e fazendas da região, praticamente em nada afetados pela crise.

Fortuna de Minas tinha 185 empregos em regime CLT antes da quarentena e viu esse número aumentar para 207 em julho (12%). Simultaneamente, 379 moradores contaram com o benefício do governo, o que representa 12,9% da população recebendo uma renda extra.

“A pizzaria que tinha um motoboy agora tem cinco. Até material de construção está em falta, porque tem gente aproveitando esse dinheirinho a mais para fazer uma pequena reforma, pintar uma parede…”, relata o prefeito.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.