Quarta, 21 de Outubro de 2020
31 99616-7463
Polícia INQUÉRITO

Patrocínio: Jorge Marra é indiciado por homicídio, porte ilegal de arma e roubo

Ex-secretário de obras matou Cássio Remis após denúncia de irregularidades na prefeitura; delegado que conduziu o caso acredita em motivação política, mas não 'crime político'

07/10/2020 09h00
Por: Redação Fonte: O Tempo
Ex-secretário de Obras da cidade, Jorge Marra (PTB) é investigado por roubo, homicídio qualificado e porte de arma de fogo Foto: Prefeitura de Patrocínio/Divulgação
Ex-secretário de Obras da cidade, Jorge Marra (PTB) é investigado por roubo, homicídio qualificado e porte de arma de fogo Foto: Prefeitura de Patrocínio/Divulgação

A Polícia Civil de Minas Gerais concluiu que, apesar da morte de Cássio Remis, ex-presidente da Câmara Municipal de Patrocínio e candidato a vereador, ter sido motivada por questões políticas, o assassinato não pode ser considerado crime político. O inquérito foi entregue pelas autoridades policiais à Justiça na tarde desta terça-feira (6). O crime aconteceu no dia 24 de setembro e seu autor é o ex-secretário de obras da cidade, Jorge Marra, irmão do atual prefeito da cidade.

Segundo o delegado regional de Patrocínio, Valter André, a morte de Cássio não pode ser considerada um crime político por não apresentar relação direta com o pleito eleitoral, embora a vítima estivesse denunciando um suposto favorecimento da administração municipal na conclusão de uma obra de asfaltamento da rua onde seria instalado o comitê eleitoral do atual prefeito.

A Polícia indiciou Jorge Marra por homicídio qualificado, porte ilegal de arma e roubo majorado com o concurso de pessoas, em razão do envolvimento do motorista que o auxiliou na fuga. A delegada de Homicídios, Ana Beatriz de Oliveira Brugnara afirmou que o funcionário ajudou a desobstruir a passagem para dar fuga. “Ele retirou o veículo que estava atrás da caminhonete do autor", afirmou.

Continua depois da publicidade

Durante três dias, Jorge Marra ficou foragido e se entregou após negociar sua rendição. O autor do crime está preso, desde então, no presídio Sebastião Satiro, no município de Patos de Minas.    

O envolvimento de um ex-prefeito de Perdizes também está sendo investigado pelos policiais. No dia do crime, o carro dele estava na frente da casa do atirador.

Ameaças

Continua depois da publicidade

A Polícia Civil também confirmou que Cássio Remis pode ter sofrido ameaças antes de o crime acontecer. No total, 25 pessoas foram ouvidas e contribuíram para a elaboração de provas testemunhais e técnicas. Uma das testemunhas, conforme narrou o delegado, confirmou que a vítima havia conversado com ela sobre ameaças de morte, porém sem detalhes.

O telefone celular de Cássio Remis, roubado por Jorge Marra enquanto ele fazia uma transmissão ao vivo do local onde a obra era realizada e que poderia indicar as possíveis ameaças ainda não foi encontrado.

Jorge Marra também teve um pedido de liberdade negada pelo Tribunal de justiça de Minas Gerais. Na decisão, a desembargadora Márcia Milanez entende ser necessário o envio de informações específicas para análise do mérito.

Entenda o caso

Cássio Remis foi morto a tiros pelo então secretário de Obras de Patrocínio e irmão do prefeito da cidade, Jorge Marra, após um desentendimento durante uma live transmitida a seus seguidores numa rede social. Remis teve o aparelho celular roubado por Marra e ao tentar reaver o telefone foi atingido.  

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.