Sábado, 23 de Janeiro de 2021
31 99616-7463
Cidades Pandemia

Comércio de bairro em BH ignora decreto da Prefeitura e abre na marra

13/01/2021 11h55
Por: Redação Fonte: Mega Cidade com Hoje em Dia
Lucas Prates/Hoje em Dia
Lucas Prates/Hoje em Dia

O desrespeito à quarentena acontece em todos os cantos de Belo Horizonte. Se no hipercentro há comerciantes descumprindo o fechamento dos serviços não essenciais, nos bairros mais afastados o cenário é ainda pior. Lojas de todos os tipos, localizadas nas principais ruas e avenidas, permanecem com atendimento ao público, algumas delas com as portas escancaradas e sem temer a fiscalização.

Na segunda-feira, primeiro dia do lockdown, fiscais e guardas municipais estiveram em 466 estabelecimentos, nas nove regionais, para ações educativas. Nenhuma multa foi aplicada.

A reportagem percorreu vários pontos da metrópole e o que se viu foi um festival de desobediência. Na rua Padre Eustáquio, no bairro de mesmo nome, Noroeste de BH, foram flagradas lojas de perfumaria, vestuário e manutenção de celulares.

Continua depois da publicidade

Já em Venda Nova, estabelecimentos na rua Padre Pedro Pinto funcionavam normalmente. Pontos comerciais estavam com portas pela metade ou totalmente abertas.

Para médicos, o cenário pode levar a uma quarentena mais prolongada. “O objetivo do lockdown é desmobilizar o vírus, com redução das aglomerações. Quanto maior a adesão, maior o impacto na redução da transmissão e nas infecções, na saturação de hospitais e mortalidade. Se você burla o lockdown, compromete os resultados”, afirma Estevão Urbano, infectologista do Hospital Madre Teresa.

Pelo decreto 17.523, quem descumprir as regras para conter a pandemia de Covid-19 poderá ser multado e ter o comércio interditado. A punição, inclusive, ficou mais cara: R$ 18.359,66.

Continua depois da publicidade

Especialista em Processo Civil, o advogado Francisco Gomes Júnior diz que, caso os desrespeitos continuem, é possível lançar mão do Código Penal. O artigo 268, por exemplo, prevê detenção de até um ano para pessoas que infringirem determinação do poder público destinada a impedir propagação de doenças contagiosas. 

Outra possibilidade é o artigo 330, que versa sobre desobediência a ordem de funcionário público. “Quando as pessoas dizem que estão fazendo desobediência civil, já estão declarando que estão cometendo um crime”, ponderou Francisco.

Em nota, a PBH informou que, até o momento, não foi necessário adotar tais medidas

Ontem, em entrevista à rádio CBN, o prefeito Alexandre Kalil afirmou que a desobediência civil não é uma “boa tática”, pois a fiscalização na metrópole é muito rígida.

Alternativa para quem quer manter o comércio em funcionamento é recorrer aos tribunais. “A Constituição garante a todo cidadão exercer a sua atividade econômica. É possível discutir a legalidade desse decreto, ainda que num momento pandêmico. Isso é demorado, liminares são concedidas e cassadas. A questão é controversa nesse momento atípico que vivemos”, frisou Alneir Fernando Maia, membro da Comissão de Direito Penal Econômico da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Minas Gerais.

Palavra do especialista:

“A prefeitura tem à sua disposição o chamado direito de poder de polícia. Além de editar o decreto, ela tem o poder de se fazer cumprir esse decreto por meio de medidas coercitivas que a lei deixa à disposição da administração, que vão desde a advertência, imposição de multas, interdição do estabelecimento por um certo período de tempo e até mesmo a cassação do alvará de funcionamento daquele estabelecimento. Por outro lado, o comerciante, por força da Constituição da República tem o princípio da inafastabilidade do poder Judiciário. Quando se discorda de um ato do poder público, o comerciante pode discutir esse ato na Justiça, isoladamente ou por meio de associações e sindicatos. Isso porque não se considera os atos da administração pública como perfeitos e impassíveis de estarem incorretos. A análise de se buscar ou não o poder Judiciário deve ser feita caso a caso”, disse Paulo Henon, Presidente da Comissão OAB Jovem – Minas Gerais.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.