Terça, 03 de Agosto de 2021
31 99616-7463
Polícia CRIMES

Acusado de chacina em Ceilândia atira em dois policiais: fuga já dura uma semana

Conhecido como "Serial Killer do DF", homem já atirou em cinco pessoas, após ser suspeito da morte de outras quatro

16/06/2021 16h25
Por: Redação Fonte: Mega Cidade com Estadão Conteúdo/O Tempo
Lázaro é procurado pela polícia Foto: Reprodução Globo
Lázaro é procurado pela polícia Foto: Reprodução Globo

Dois policiais foram baleados nessa terça-feira (15) em Goiás durante a 'caçada' que cerca de 200 militares fazem para prender Lázaro Barbosa, de 32 anos. Ele é suspeito de matar quatro pessoas, pais e filhos de uma mesma família, na última quarta-feira em Ceilândia, no Distrito Federal. Desde então, vem cometendo uma série de crimes em sua fuga e aterrorizando moradores de fazendas da região.

Segundo o G1, um policial foi baleado de raspão no povoado de Edilândia, em Cocalzinho de Goiás. Já o segundo entrou em confronto com Lázaro por volta das 15h, na mesma região, e foi baleado no rosto e transferido consciente para um hospital.

Relembre

Continua depois da publicidade

Mais de 200 agentes de segurança procuram um homem acusado de matar quatro pessoas da mesma família em Ceilândia, na região administrativa de Brasília. Lázaro é conhecido como "Serial Killer do DF". A Polícia Militar usa helicópteros, cães farejadores e conta com auxílio da Polícia Federal e Civil.

Em entrevista na segunda-feira, 14, o secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Marques, classificou o foragido como "psicopata". "Ele, além de ser um psicopata, é da região. É o que nós chamamos de 'mateiro', acostumado a se emburacar no mato. Ele deve ter outra motivação psicótica. Está muito focado em seguir na trajetória criminosa. Mas vamos chegar até ele", afirmou.

Nascido na cidade baiana de Barra do Mendes, a 530 quilômetros de Salvador, Lázaro já respondeu, na cidade natal, a um processo por homicídio quando tinha 20 anos. Em 2011, já em Ceilândia, ele foi condenado por estupro e roubo com emprego de arma. Ele chegou a ser preso em 2018, em Águas Lindas de Goiás, mas fugiu do encarceramento poucos meses depois.

Continua depois da publicidade

O caso começou na última quarta-feira (9) quando quatro pessoas, pai, mãe e dois filhos, incluindo um adolescente, foram mortas em Ceilândia. Lázaro é suspeito de cometer os crimes e depois fugir para a região de Cocalzinho, em Goiás. A mulher chegou a ser sequestrada, e seu corpo foi localizado em uma área de mata no sábado (12). Segundo a polícia, a hipótese é que Lázaro tentava roubar o local, quando a mulher acionou parentes via telefone. Ao ver que ela pedia socorro, o suspeito teria matado pai e filhos e a levou como refém na tentativa de se proteger. 

Na quinta-feira (10), segundo o G1, o homem invadiu outra chácara da região, rendeu o caseiro, o dono do imóvel, e a filha dele, que foi obrigada a cozinhar. A Polícia Militar informou ao site que as testemunhas contaram que ele assistiu a notícias sobre a chacina na TV antes de deixar o local.

Na sexta (11), ele cometeu outro crime, também de acordo com o G1: roubou um carro, o incendiou e abandonou ao chegar em Cocalzinho (GO). 

No sábado (12), a fuga continuou agora em Goiás, e o suspeito dos quatro assassinatos invadiu a fazenda da família de um soldado e fez o caseiro refém, segundo o site Metrópoles. Ele teria roubado armas neste local. O homem chegou a ser localizado, trocou tiros com a polícia, mas escapou do cerco. À noite, ele fugiu para outra chácarae atirou em três pessoas que estavam acampadas. Depois, teria colocado fogo em outra chácara. Todos os feridos seguem em hospitais da região.

No domingo (13), segundo a TV Globo, o proprietário de outra fazenda na região chamou a polícia e disse que encontrou sua casa revirada e que um veículo da família sumiu. Há suspeita de que Lázaro tenha estado no local. Segundo o G1, ele avistou um cerco policial, abandonou o carro, e fugiu a pé pela mata.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.