Domingo, 24 de Outubro de 2021
31 99616-7463
Cidades Culto

Pastora é acusada de cobrar por vaga em culto e se defende: ‘São para a obra de Deus’

Religiosa desmentiu as acusações recebidas

16/09/2021 15h43
Por: Redação Fonte: Mega Cidade com BHAZ
Religiosa desmentiu as acusações recebidas (Reprodução/@renallidaoficial/Instagram)
Religiosa desmentiu as acusações recebidas (Reprodução/@renallidaoficial/Instagram)

A pastora Renalida Carvalho está sendo acusada de pedir dinheiro em troca de orações e por cobrar vagas em cultos. A religiosa é da IPTM (Igreja Pentecostal Tempo de Milagre) da Paraíba. Pelas redes sociais, ela divulgou uma nota rebatendo as acusações afirmando que “jamais se utilizou da fé e da crença religiosa” e que as doações recebidas são para “a obra de Deus”.

O pastor Anderson Silva foi um dos que acusaram Renalida de cobrar dos fieis para receber orações e participar dos cultos. No perfil do Instagram, ele publicou um vídeo onde a pastora pede “votos” para os seguidores. O pedido era referente a doações. “Deus abençoe a todos. Faça agora o seu voto. Pague seu voto agora em nome de Jesus. Você que vai ver depois, também seja abençoado e pague seu voto”, disse.

O jornalista Bruno Pereira, da TV Arapaun, afiliada da RedeTV Paraíba, fez uma publicação criticando a prática da pastora e alertando as pessoas. “A gente precisa pagar dízimo para os verdadeiros homens que levam a verdadeira palavra de Cristo, mas não podemos pagar ingresso para ‘ouvir’ a palavra de Deus”, publicou no Instagram.

Continua depois da publicidade

Nos comentários da postagem, uma seguidora relembrou uma vez em que queria participar do culto de Renalida, mas foi cobrada. “Uma vez eu queria ir no culto dela e me cobraram R$ 70 um dia e R$ 100 os dois dias. Não fui nem um nem outro. Pra ouvir a palavra de Deus ou pra falar com Ele, até dentro da minha própria casa eu busco”.

‘Obra de Deus’

A repercussão do caso fez com que a pastora se posicionasse. Em nota assinada por advogados da religiosa, é destacado que ela não comete o crime de estelionato. “Pastora Renalida jamais se utilizou da fé e da crença religiosa do indivíduo para enganar outrem e auferir qualquer vantagem patrimonial”, diz trecho do posicionamento.

Os advogados afirmaram ainda que toda doação recebida pela religiosa é “convertida para a obra de Deus, não estando ninguém obrigado a doar”. “Lembramos que nada há que possa macular a conduta da pastora Renalida ao longo desses quase 20 anos de compromisso com a Igreja de Cristo”.

Continua depois da publicidade

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.