Sexta, 03 de Dezembro de 2021
31 99616-7463
Economia Incerteza

Dólar e juros disparam após declarações de Guedes e Bolsonaro

Já os ativos brasileiros negociados nos mercados externos despencavam na manhã desta quinta-feira, replicando a má reação a declarações de Paulo Guedes sobre despesas fora do teto de gastos

21/10/2021 10h56
Por: Redação Fonte: Mega Cidade com O Tempo
O dólar disparava nos primeiros negócios da manhã desta quinta-feira (21), com a moeda norte-americana superando R$ 5,67 Foto: Pixabay
O dólar disparava nos primeiros negócios da manhã desta quinta-feira (21), com a moeda norte-americana superando R$ 5,67 Foto: Pixabay

O mercado reagiu muito mal à declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, que indica derrota na batalha contra planos de romper o teto de gastos, diante da insistência do presidente Jair Bolsonaro em manter o Auxílio Brasil em R$ 400 mensais. Investidores temem o descontrole fiscal.

O dólar e os juros futuros disparavam nos primeiros negócios da manhã desta quinta-feira (21), com a moeda norte-americana superando R$ 5,67, enquanto taxas de contratos de DI saltavam 60 pontos-base.

O dólar spot saltava 1,81%, a R$ 5,6629, às 9h11, após máxima de R$ 5,6753. Os juros futuros tinham forte aumento nos prêmios, com o DI janeiro 2025 voando 60 pontos-base, a 11,50% ao ano.

Continua depois da publicidade

Já o dólar turismo era negociado na casa dos R$ 5,93; nas lojas de câmbio, superava R$ 6,20 nas compras da moeda em cartão pré-pago.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em queda de cerca de 2% em meio aos temores de descontrole fiscal.

Já os ativos brasileiros negociados nos mercados externos despencavam na manhã desta quinta-feira, replicando a má reação a declarações de Paulo Guedes sobre despesas fora do teto de gastos.

Continua depois da publicidade

Investidores esperam intervenção do Banco Central

Na renda fixa, o Tesouro até já antecipou a divulgação de lotes pequenos para o leilão de títulos prefixados desta quinta, que costuma ser feita às 10h30, ajudando a aliviar um pouco a pressão na curva de juros.

No câmbio, há expectativas também sobre nova intervenção do Banco Central, com injeção de liquidez "extra", que poderia amenizar também a volatilidade, e porque o real opera bem mais desvalorizado ante o dólar no exterior do que seus pares emergentes e ligados a commodities.

O exterior tampouco ajuda, num dia de queda das bolsas de valores e de moedas emergentes, em meio a renovados temores relacionados ao mercado imobiliário chinês.

Licença para um gasto de cerca de R$ 30 bilhões

Paulo Guedes disse na quarta-feira (20) que o governo avalia se o benefício temporário que irá vitaminar o novo Bolsa Família será pago fora do teto, o que demandaria uma licença para um gasto de cerca de R$ 30 bilhões, ou se haverá opção por uma mudança na regra constitucional do teto de gastos para acomodá-lo.

O chefe da Economia afirmou ainda que caberá ao relator da PEC dos Precatórios, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), viabilizar uma fórmula que garanta o pagamento de um benefício social de R$ 400 em 2022 respeitando o arcabouço fiscal do país.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.