Quarta, 19 de Janeiro de 2022
31 99616-7463
Saúde PANDEMIA

Anvisa recomenda restringir voos vindos de seis países africanos

Nota técnica publicada pela agência pede que o governo brasileiro adote medidas de restrições para voos e viajantes vindos da África do Sul e mais cinco países

26/11/2021 13h53
Por: Redação Fonte: Mega Cidade com O Tempo
Aeroporto de Guarulhos: nota técnica publicada pela agência pede que o governo brasileiro adote medidas de restrições para voos e viajantes vindos da África Foto: Imagem de Arquivo/Agência Brasil
Aeroporto de Guarulhos: nota técnica publicada pela agência pede que o governo brasileiro adote medidas de restrições para voos e viajantes vindos da África Foto: Imagem de Arquivo/Agência Brasil

Pouco após o presidente Jair Bolsonaro declarar que uma nova variante da Covid-19 está para chegar ao Brasil mas ele não fechará os aeroportos internacionais, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou, na manhã desta sexta-feira (26), restringir voos vindos de seis países africanos.

Nota técnica publicada pela agência pede que o governo brasileiro adote medidas de restrições para voos e viajantes vindos da África, em decorrência da identificação de nova variante do SARS-CoV-2, identificada como B.1.1.529.

Os países identificados na nota técnica são: África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue

Continua depois da publicidade

A variante A B.1.1.529 preocupa, uma vez que já tem 50 mutações — algo nunca visto antes —, sendo mais de 30 na proteína "spike" (a "chave" que o vírus usa para entrar nas células e que é o alvo da maioria das vacinas contra a Covid-19).

Veja o que se sabe sobre nova variante da Covid descoberta na África do Sul

A nova variante da Covid-19 foi identificada na África do Sul nos últimos dias, o que forçou uma reunião de emergência da Organização Mundial de Saúde (OMS) e fez com que alguns países, como o Reino Unido, restringissem voos vindos do local. Além disso, a Europa enfrenta uma forte onda de Covid que impacta principalmente grandes contingentes de não vacinados em seu território.

Continua depois da publicidade

Anvisa também pediu adoção de passaporte de vacina

Já na quinta quinta-feira (25), a Anvisa publicou duas notas técnicas recomendando à Casa Civil da Presidência da República que a vacinação contra a covid-19 seja obrigatória para entrada no Brasil por ar e terra. Já a segunda dose ou a dose única da vacina deve ter sido dada ao menos 14 dias antes da entrada no país, segundo a agência.

Tal medida já foi pedida pelo governo do estado de São Paulo, onde fica o mais movimentado aeroporto internacional do país, Guarulhos. O governo brasileiro, porém, se recusa a adotar a medida. Ainda na quinta-feira, o ministro da Justiça, Anderson Torres, afirmou ser contra a exigência do passaporte de vacina nas fronteiras brasileiras.

A política de entrada que está em vigor no país hoje não exige a vacinação – seja por terra ou ar. A entrada de estrangeiros por rodovias ou quaisquer outros meios terrestres está proibida, com algumas exceções. A recomendação da agência é, no futuro, só permitir a entrada de pessoas por este modal se estiverem vacinadas.

“A inexistência de uma política de cobrança dos certificados de vacinação pode propiciar que o Brasil se torne um dos países de escolha para os turistas e viajantes não vacinados, o que é indesejado do ponto de vista do risco que esse grupo representa para a população brasileira e para o Sistema Único de Saúde (SUS)”, alerta a Anvisa em uma das notas.

Em qualquer tipo de entrada, a recomendação da Anvisa é que sejam aceitas as vacinas aprovadas ou pela própria Anvisa ou pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Além das vacinas já aprovadas pela Anvisa – da Pfizer, Oxford/AstraZeneca, Johnson e CoronaVac –, a OMS também já valida as da Moderna, Sinopharm e Covaxin.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.