Sábado, 25 de Junho de 2022
28°

Tempo aberto

Sete Lagoas - MG

Cidades Júri

Suspeito de ser o mandante da morte de “Tunico Donana” alega estar doente e não comparece a julgamento que estava programado para esta quarta-feira (22)

Segundo informações, o advogado do réu tirou a toga e abandonou o Tribunal do Júri

23/06/2022 às 14h09
Por: Redação Fonte: Mega Cidade com Jornal Notícia
Compartilhe:
Suspeito de ser o mandante da morte de “Tunico Donana” alega estar doente e não comparece a julgamento que estava programado para esta quarta-feira (22)

Programado para ser realizado nesta quarta-feira (22 de junho) no Fórum Felix Generoso, o julgamento de Márcio João Ribeiro, o Marcinho, suspeito de ser o mandante do assassinato de Antônio Claudio Maciel, o “Tunico Donana”, acabou não acontecendo.

O réu não compareceu, alegando estar doente. O advogado de defesa dele apresentou um atestado e mesmo assim seria julgado, pois o advogado o representaria.

Também duas mulheres que estavam no Júri alegaram que não podiam ficar no plenário, porque tinham filhos pequenos e não poderiam ausentar-se por dois dias.

Segundo informações, o advogado do réu tirou a toga e abandonou o Tribunal do Júri. Então, a juíza teria impetrado uma multa de 30 salários mínimos, sendo que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)  foi informada sobre a atitude do advogado.

Continua depois da publicidade

Relembre o caso

No dia 8 de outubro de 2012, o empresário Antônio Claudio Maciel foi executado de forma cruel quando buscava o filho em uma obra no bairro São José, sem ter tido a mínima condição de defesa. O executor o seguiu e atirou á queima roupa contra a vítima, em plena luz do dia, tendo o empresário morrido no colo do seu filho. 

“Tunico Donana” era pessoa muito querida em Sete Lagoas e sua morte ganhou repercussão na mídia de todo o estado de Minas Gerais. 

Após investigação a Polícia Civil prendeu todos os envolvidos no bárbaro crime, que segundo as investigações, havia sido encomendado por Márcio João Ribeiro, o “Marcinho”. 

Família quer justiça 

A família de Antônio Claudio Maciel que durante quase dez anos viveu a expectativa desse julgamento, clama por justiça. “Nada vai cobrir essa dor e lacuna deixada com a morte de um pai de família que não acompanhou o crescimento e o sucesso de seus três filhos. Mas, pelo menos, a gente vai ter um alento em saber que uma pessoa sem escrúpulo e sem saber o que é uma família vem de fora para fazer uma crueldade dessas. Nós estamos clamando por justiça para amenizar um pouco dor que será para sempre em nossas vidas”, disse a viúva Rosa Maciel. 

Mesmo sendo um dos crimes mais cruéis já registrados em Sete Lagoas, a defesa de Márcio João da Ribeiro já havia tentado todas as manobras para adiar ao máximo o julgamento.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Sete Lagoas - MG Atualizado às 13h19 - Fonte: ClimaTempo
28°
Tempo aberto

Mín. 11° Máx. 29°

Dom 26°C 12°C
Seg 25°C 11°C
Ter 26°C 10°C
Qua 27°C 11°C
Qui 28°C 13°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Anúncio