Quinta, 09 de Julho de 2020
31 99616-7463
Política Delação premiada

Queiroz negocia delação premiada e quer proteger família, diz CNN

27/06/2020 09h56
Por: Redação Fonte: Bhaz
Ex-assessor do senador Flavio Bolsonaro quer evitar que família seja responsabilizada por esquema (Reprodução)
Ex-assessor do senador Flavio Bolsonaro quer evitar que família seja responsabilizada por esquema (Reprodução)

O ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), Fabrício Queiroz, estaria negociando uma delação premiada com o MPRJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), para proteger sua família e pedir prisão domiciliar.

Queiroz não quer que sua esposa Márcia, que está foragida, e filhas do casal acabem respondendo pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, além de participação em organização criminosa. As informações são da CNN Brasil.

Os promotores querem garantias que o policial aposentado tenha informações novas para apresentar e não apenas relatar fatos que a investigação já saiba.

Continua depois da publicidade

Queiroz

Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), foi preso na manhã da última quinta-feira (18). Ele estava em Atibaia (SP), na região do Vale do Paraíba, em um imóvel do advogado da família Bolsonaro, Frederick Wassef (relembre aqui).

A ação faz parte da Operação Anjo, que cumpre ainda outras medidas cautelares autorizadas pela Justiça, relacionadas ao inquérito que investiga a chamada rachadinha, em que servidores da Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) devolveriam parte dos seus vencimentos ao então deputado estadual Flávio Bolsonaro. 

Na madrugada de sábado (20), a desembargadora Suimei Cavaleiri, da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou o pedido de substituição de prisão preventiva por domiciliar, feito pelo advogado Paulo Catta Preta ao Queiroz.

Continua depois da publicidade

Segundo o Ministério Público fluminense, o ex-assessor dizia à Justiça que não podia depor porque estava com “problemas de saúde”, mas realizava churrasco. Em uma troca de mensagens com Márcia, disse que viu o rebaixamento do Cruzeiro, em 2019, “tomando uma Corona com limãozinho”.

“Até que enfim, hein mulher. Devia ter tomado todas ontem. Nós fizemos um churrasquinho aqui. Vimos o Cruzeiro ser rebaixado tomando uma Corona aqui com limãozinho… Muito bom”, escreveu para Márcia Oliveira de Aguiar (veja mais aqui).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.