Segunda, 12 de Abril de 2021
31 99616-7463
Saúde Coronavírus

Média de mortes por Covid sobe 88% e atinge sétimo recorde seguido em Minas

Estado registrou 332 óbitos por dia na última semana; por outro lado, média de casos estabiliza e começa a cair em algumas regiões

03/04/2021 09h06
Por: Redação Fonte: Mega Cidade com O Tempo
Ao todo, Estado registrou 2.327 óbitos nos últimos sete dias Foto: Douglas Magno / AFP
Ao todo, Estado registrou 2.327 óbitos nos últimos sete dias Foto: Douglas Magno / AFP

Minas Gerais registra nesta sexta-feira (2) o sétimo recorde seguido na média móvel de mortes confirmadas por Covid-19, com 332 óbitos registrados por dia ao longo da última semana.

O aumento no indicador é de expressivos 88% na comparação com duas semanas atrás, ou seja, quase o dobro ? o ritmo era de 177 óbitos diários. A média atual representa um acumulado de 2.327 mortes confirmadas apenas na última semana, a mais fatal desde o início da pandemia.

A elevação da curva é observada em 12 das 14 macrorregiões de saúde do Estado. Na Central, onde está localizada a capital Belo Horizonte, por exemplo, a explosão foi de 151%, tendo passado de 42 para 105 vítimas diárias da Covid-19.

Continua depois da publicidade

As exceções são as macrorregiões Sudeste (Juiz de Fora) e Triângulo Norte (Uberlândia) ? esta, a primeira a ter sido submetida às regras mais rígidas de mobilidade impostas pela Onda Roxa do programa Minas Consciente. Em ambas as localidades, as curvas encontram-se em um nível estável, mas ainda no patamar mais alto da pandemia.

Estabilidade na confirmação de casos

A boa notícia é que a média de novos casos caiu pelo terceiro dia seguido após ter atingido um recorde na última terça-feira (30). Na comparação com duas semanas atrás, o aumento é de 14%, indicando uma tendência de estabilidade, apesar do patamar ainda bastante alto.

Continua depois da publicidade

O monitoramento mostra que o ritmo de expansão da doença em Minas Gerais neste momento é de 9.371 novos pacientes diários. Isso representa um total de 65.597 pessoas diagnosticadas nos últimos sete dias.

Duas macrorregiões apresentam tendência de queda na confirmação de novos casos (Oeste e Triângulo Norte) e outras quatro, de estabilidade na curva (Leste Sul, Noroeste, Norte e Triângulo Sul), enquanto as demais seguem com o ritmo acelerado de novas infecções (Centro, Centro Sul, Jequitinhonha, Leste, Nordeste, Sudeste, Sul e Vale do Aço).

Isolamento social é insuficiente

A redução da mortalidade é o último degrau esperado após a adesão das medidas de controle, como explicou o secretário adjunto de Saúde, André Luiz Moreira dos Anjos: “A diminuição de casos positivos permite queda na incidência e, consequentemente, na ocupação na rede hospitalar e, por fim, nos óbitos. É o que se espera da Onda Roxa”.

Ao anunciar a entrada de todo o Estado na fase mais dura do programa, no dia 15 de março, o secretário de Saúde, Fábio Baccheretti, já havia antecipado que a previsão era de novos recordes durante as semanas seguintes, reflexo do aumento anterior na incidência e nas internações.

Desde a adoção da Onda Roxa em todas as regiões, porém, o índice de isolamento social em Minas subiu apenas de 33% para 46%, taxa inferior à média nacional e bem menor do que a necessária para conter o avanço do vírus (60% a 70%).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.