Segunda, 03 de Outubro de 2022
18°

Poucas nuvens

Sete Lagoas - MG

Saúde Alimentação

5 dicas importantes para ajudar na alimentação de um bebê

A maneira como introduzimos crianças a alimentação é fundamental para seus crescimento e desenvolvimento

21/09/2022 às 11h40
Por: Redação Fonte: Mega Cidade com Comunica PR
Compartilhe:
Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa

Uma boa alimentação é a chave de uma vida saudável e feliz, esse processo deve ser iniciado desde o começo da vida, passando por todas as fases de conhecer os alimentos, desde a amamentação até a introdução aos alimentos, visando o melhor desenvolvimento para a criança. Um levantamento do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani) de 2019 apontou que menos da metade das crianças brasileiras (45.7%) recebem amamentação exclusiva até os 6 meses. Além disso, 10% das crianças menores de 5 anos já estão em sobrepeso. Demonstrando que existe, atualmente, a falta de conscientização a respeito da alimentação infantil.

 

Continua depois da publicidade

Segundo a especialista em nutrição do Projeto Pigmeu, Renata Riciati, a alimentação dos filhos tem grande influência em seu desenvolvimento. “É importante entender como a alimentação da mãe durante a gestação pode causar impactos positivos ou negativos tanto no desenvolvimento como no crescimento do bebê. Uma mãe bem nutrida é igual a um bebê bem nutrido, já uma mãe desnutrida vai fazer com que haja um déficit no crescimento e no desenvolvimento desse bebê”, explica.

 

Continua depois da publicidade

No entanto, não existem regras extremamente definidas sobre a alimentação infantil. “Sou da opinião de que o básico bem feito é sempre a melhor opção, então não existe uma "superalimentação" para uma gestante. Se ela fizer o básico bem feito tá ótimo, uma alimentação caseira, natural, o arroz com feijão de todo dia. Alimentos, às vezes, na correria do dia a dia acabamos por preferir desembalar do que descascar. A gestante optando sempre por uma gravidez mais natural e caseira vai ser sempre a melhor opção”, relata a especialista.

 

Continua depois da publicidade

Para ajudar os pais a pensar na melhor maneira de alimentar seus filhos, a especialista lista as principais dicas sobre o assunto. Confira:

 

Continua depois da publicidade

1. Comece a mudar a alimentação desde cedo: é fundamental que a alimentação seja acompanhada desde os primeiros passos da gestação até depois do nascimento do bebê, para garantir o melhor desenvolvimento possível para a criança. “Hoje em dia é importante que a mãe faça um acompanhamento nutricional, desde a época que ela esteja tentando engravidar, continuar esse acompanhamento durante a gestação e mantê-lo no período de amamentação”, esclarece Renata.

 

Continua depois da publicidade

2. Fiquem atentos à alimentação durante a gestação: alguns alimentos devem ser evitados sempre que possível, pensando na saúde do bebê e da mãe. “Existem vários alimentos que uma gestante não pode comer, por exemplo, carnes mal-passadas ou cruas, bebidas alcoólicas e cigarros devem ser evitados a todo custo. No entanto, não existem radicalismos, fazemos sugestões daquilo que pode e que não pode, mas a decisão é sempre da mãe, apenas alertamos quanto aos riscos”, alerta.

 

Continua depois da publicidade

Além disso, existem alguns nutrientes que devem ser buscados pela gestante para otimizar o crescimento da criança. “Do meu ponto de vista profissional, uma gestante deve ser suplementada com os principais nutrientes como o ácido fólico, ferro, Ômega 3, vitaminas do complexo B, que são essenciais e vitamina C e o zinco que atuam diretamente na imunidade. Para saber ao certo o que cada uma precisa, é necessário fazer uma avaliação, exames laboratoriais, tanto de sangue quanto de urina, para avaliar o todo e saber o que é mais ideal”, diz a nutricionista.

 

Continua depois da publicidade

3. Os primeiros meses são essenciais: os primeiros seis meses da vida de um bebê são diferentes dos demais, uma vez que, durante esse período, a criança deve ser alimentada exclusivamente pelo leite materno. “A alimentação do bebê durante os 6 primeiros meses de vida, deve ser única e exclusivamente de leite materno, a não ser quando necessário a fórmula infantil. Não é indicado fornecer água nem chá para essa criança nesse período, a água vai entrar junto com a introdução alimentar”, explica.

 

Continua depois da publicidade

Além disso, existem algumas mães que optam pela livre demanda, deixando o bebê mamar na hora que quiser. “Sempre oriento para fazer o que seu coração mandar, não existe muita regra. Cada mãe e seu filho funcionam de uma maneira e devemos respeitar essa individualidade. Mas, se possível, é importante montar uma rotina para esses horários. Esses horários devem ser criados desde cedo, porém é necessário lembrar que deve haver um espaçamento de 2 a 3 horas entre essas mamadas”, complementa Renata.

 

Continua depois da publicidade

4. Faça a introdução alimentar com cautela: a introdução aos alimentos começa a partir dos 6 meses do bebê, é nesse momento que a criança vai passar a consumir os alimentos que vão acompanhá-lo pelo resto de sua vida. “A introdução aos alimentos começa a partir dos 6 meses do bebê e devemos ficar sempre atentas aos sinais de prontidão, por exemplo se já estiver sentando sozinho e pegando objetos sem ajuda. Esses sinais são parâmetros importantes para saber se o bebê está preparado para essa introdução alimentar, existem várias formas de fornecer essa alimentação”, entende.

 

Continua depois da publicidade

Porém, existem várias formas de introduzir as crianças aos alimentos. Antigamente, por exemplo, misturava-se tudo e fazia uma “papa”, porém assim a criança não consegue criar seus gostos alimentares individuais. “O ideal é ou amassar com o garfo ou passar na peneira e oferecer essa alimentação porcionando os alimentos separadamente no prato, por exemplo colocar o arroz, separado do feijão, da carne e dos demais alimentos. É importante que os pais montem seus pratos assim como o da criança, dando o exemplo de alimentação boa e saudável. Existe uma técnica chamada BLW, em que o bebê se alimenta sozinha, mas para isso ele deve ter autonomia nas próprias mãos para pegar o alimento e levá-lo até a boca, hoje em dia é usado o método misto, onde alguns alimentos são amassados e outros são oferecidos nos cortes ideais do BLW, para que essa criança tenha contato com o sabor, a textura e aroma do alimento”, complementa a especialista.

 

Continua depois da publicidade

A iniciação nos alimentos também influencia no futuro dos pequenos de algumas maneiras. “A introdução é muito importante porque a má aceitação dos alimentos, lá na frente, vai depender dessa introdução alimentar. Se ela for feita sem as vitaminas e minerais necessárias na dieta da criança, ela terá dificuldades em seu crescimento e desenvolvimento, afetando seu peso, altura e capacidades cognitivas e sensoriais. Por isso, a nutrição adequada nos primeiros anos de vida é fundamental”, defende.

 

Continua depois da publicidade

5. Dê liberdade para as crianças: também é importante dar alguma autonomia às crianças para deixá-las desenvolverem o próprio gosto. ”Um dos maiores erros dos pais é querer impor uma condição deles aos filhos. A quantidade de comida no prato é um ponto principal, alguns pais colocam a quantidade ideal para eles e não para a criança, essa quantidade deve atender as demandas da criança. O ideal é começar com uma colher de sopa para cada grupo alimentar, então seria uma colher de sopa de arroz, uma de feijão e assim vai progredindo de acordo com os desejos do filho”, conclu Renata Riciati.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Sete Lagoas - MG Atualizado às 07h36 - Fonte: ClimaTempo
18°
Poucas nuvens

Mín. 17° Máx. 31°

Ter 27°C 18°C
Qua 29°C 17°C
Qui 32°C 18°C
Sex 28°C 20°C
Sáb 30°C 20°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Anúncio